Recepcionista grava pelo celular ofensa racista de australiana contra manicure

Uma mulher foi presa em flagrante acusada de racismo em Brasília. O caso foi registrado em um salão de beleza e a vítima foi uma manicure negra. Graças à reação das pessoas, a polícia foi chamada. Ela é australiana e mora há cinco anos em Brasília. Foi a dona do salão que chamou a polícia, revoltada com as declarações da cliente contra uma manicure negra. E mesmo com a chegada dos policiais, a australiana manteve o tom dos comentários.

Imagens feitas com um celular mostram a vítima de racismo chorando. Manicure de um salão de beleza, ela teria sido ofendida por uma cliente. Segundo testemunhas, a agressora que também aparece no vídeo disse que não queria ser atendida por uma funcionária negra.

A dona do salão de beleza onde houve o caso de racismo, Eliete Lima de Carvalho (Foto: Raquel Morais/G1)

A dona do salão de beleza onde houve o caso de racismo, Eliete Lima de Carvalho (Foto: Raquel Morais/G1)

A recepcionista do salão gravou as imagens. “A cliente chegou lá no salão perguntando se tinha manicure disponível para atender ela, para fazer a unha dela. Aí, cheguei na manicure e perguntei para manicure se tinha como fazer a unha dela. Aí, ela olhou para a menina e falou: ‘tem que ser essa aí? não pode ser outra?’”, contou a recepcionista Sara Lopes da Silva.

O vídeo mostra ainda o momento que outras clientes e a dona do salão, revoltadas com a cena, saem em defesa da manicure: “Chama o policial. Chama o policial”.

“Quando a polícia chegou, que estava aqui fora, eu ainda insisti, eu falei: ‘o seu momento é agora de você não sair daqui presa, é você pedir desculpas’. Ela não pediu. E eu ainda fiz a pergunta: ‘você sabia que racismo dá prisão?’. Ela falou: ‘não, não dá mesmo’”, contou a dona do salão, Eliete Viana.

Funcionária ofendida por cliente durante serviço em salão (Foto: Raquel Morais/G1)

Funcionária ofendida por cliente durante serviço em
salão (Foto: Raquel Morais/G1)

A agressora tenta fugir. A polícia chega, mas a mulher não se intimida. E repete as agressões: “Perguntei pra você por que que pessoas que têm a sua cor ficam olhando pra mim. Foi isso que eu perguntei, tá? Eu devo ser muito bonita pra você ficar olhando pra mim”, afirmou a australiana.

Loise Stefani Garcia tem 30 anos, é australiana, mora no Brasil há cinco anos, foi presa em flagrante pelo crime de racismo. Chegou a ser levada para o presidio feminino do Distrito Federal. Agora está solta depois de conseguir um habeas corpus. Vai responder ao processo em liberdade. Se condenada pode pegar até três anos de prisão.

A delegada que investiga o caso conta que Loise negou que tenha sido racista, mas diz que mesmo na delegacia a estrangeira implicou com dois policiais negros.

“O que chamou atenção foi a postura dela discriminando duas manicures, discriminando uma cliente do salão e depois na delegacia discriminando dois agentes de polícia que estavam exercendo suas atividades aqui, inclusive não querendo, não assumindo a possibilidade de se dirigir, de falar com eles, da mesma forma que ela já tinha agido no salão”, disse a delegada Mabel Alves De Faria.

Nem o advogado nem a australiana foram encontrados. A australiana presa na noite de sexta-feira (14), suspeita de racismo, obteve um habeas corpus e foi solta neste final de semana.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s