Filme brasileiro que tenta vaga em Oscar recebe boas críticas nos EUA

O longa "Hoje Eu Quero Voltar Sozinho" (Brasil, 2014), do diretor Daniel Ribeiro, conta a história de Leonardo, um garoto cego de 15 anos, interpretado por Guilherme Lobo, que procura ser independente em uma sociedade superprotetora. O jovem estudante do ensino médio se apaixona pelo amigo Gabriel, ao mesmo tempo em que desperta sentimentos pela colega Giovana. O filme venceu o prêmio da crítica na última edição do Festival de Berlim. O filme teve estreia em 10 de abril de 2014

O longa “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho” (Brasil, 2014), do diretor Daniel Ribeiro, conta a história de Leonardo, um garoto cego de 15 anos, interpretado por Guilherme Lobo, que procura ser independente em uma sociedade superprotetora. O jovem estudante do ensino médio se apaixona pelo amigo Gabriel, ao mesmo tempo em que desperta sentimentos pela colega Giovana. O filme venceu o prêmio da crítica na última edição do Festival de Berlim. O filme teve estreia em 10 de abril de 2014

“Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”, que tenta vaga para concorrer ao Oscar de melhor filme estrangeiro, foi sucesso de público e crítica no Brasil e agora começa também a agradar a crítica nos Estados Unidos, onde estreou na última sexta (7).

O UOL selecionou trechos das críticas dos principais sites e jornais de cinema do país, como The Wrap, Variety, The Hollywood Reporter e “The New York Times”. Saiba o que eles têm a dizer sobre o longa de estreia de Daniel Ribeiro, estrelado por Ghilherme Lobo, Fábio Audi e Tess Amorim.

The Wrap

O Leonardo de Ghilerme Lobo não é um cego gay e adolescente, mas uma adolescente que por acaso é cego e gay – em uma história reflexiva e redonda.

É um reflexo do progresso relativo em relação à aceitação gay no país, que já sedia a maior parada do orgulho gay no mundo e que legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo em 2013.

Como a maioria de filmes sobre jovens adultos, as melhores cenas são centradas em novas experiências, como Gabriel explicando a Leo como se dá um eclipse ou quando narra cada nova matança de um filme de terror. (É muito ruim, no entanto, que todas as personagens femininas, em particular Giovana e sua mãe, são excessivamente maternais e de quem Leo quer fugir).

The Hollywood Reporter

O filme é umas versão em longa do premiado curta de 17 minutos…Ribeiro concretizou de forma impressionante o material em uma narrativa completa, não só adicionando conflito e personagens convincentes, mas também um enfoque novo pela busca da independência do jovem cego.

Apesar de terem 16 ou 17 anos, Leo e Giovana vivem em um abiente protegido que é quase inocente demais para ser verdade. O comando de Tom de Riveiro é fundamental para tornar essa configuração crível, focando na bondade dos jovens personagens que aos poucos vão se abrindo para dar espaço à rebeldia que pode dazer com que deixem o casulo protetor da infância para trás.

Variety

Todo mundo vais torcer pelos dois protagonistas adolescentes na estreia doce de Daniel Ribeiro, já que os meninos são muito simpáticos e o caminho que eles traçam até o primeiro amor tem uma qualidade comovente.

Embora o roteiro e direção seja só um pouco acima da média, a estreia sobre juventude de Daniel Ribeiro tem um apelo inegável.

The New York Times

Este filme vencedor – dirigido por Daniel Ribeiro em sua estréia – tece habilmente os desafios sociais da adolescência em uma história mais ampla de auto-descoberta. O filme é a tentativa do Brasil para o Oscar de filmes estrangeiros. E isso não é surpresa.

Fonte: UOL/SP

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s